Nessa doce magia
da contemplação
olha o filho querido
olha o filho do filho
e vê que o tempo voou

Se desdobrou em mil
mas nunca desistiu
naquele percurso,
por vezes insano,
do papel de Mãe exercer...

E hoje, com os cabelos mesclados
Traz ainda no regaço,
O embalo aconchegante
trocando aquele filho de antes,
pelo filho do neto seu.

E assim, com jeito singular
querendo a lembrança abarcar
seus olhos, querendo fechar
Se entrega à doce magia
das gerações contemplar
E lá no fundo da mente,
um sussurro eloquente
daquele ser tão querido...
"Obrigado por tudo MAMÃE"!



Comentários